Já que é pra fazer, façamos DIREITO.

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 0 Flares ×

Há exatamente uma semana, contei pra vocês no facebook que eu estava iniciando meu curso de direito de imigração na Universidade de  British Columbia (UBC). Naturalmente, uma enxurrada de advogados começou a me contatar e então eu decidi que faria mais do que simplesmente responder as dúvidas de quem me procurava e criei um diário no blog somente para assuntos relacionados aos temas abordados no curso. Provavelmente, você encontrará nesta seção, muitas comparações e alusões ao Direito Brasileiro, mas espero que, ao longo desta jornada, ambos possamos evoluir e descobrir um mundo de possibilidades juntos. Posto isto, começarei explicando um pouco da formatação do curso oferecido pela UBC.

Tipo de Curso

O curso de immigration law é oferecido no modelo do que chamamos de especialização aí no Brasil. O programa tem duração de aproximadamente 9 meses e pode ser cursado no modo online ou blended (online + 1 aula presencial por semana). Estima-se que seja necessário uma dedicação exclusiva de 15 à 18 horas semanais à elaboração dos trabalhos e à leitura dos textos disponibilizados na área VIP do aluno.

Somente para cidadãos ou residentes permanentes

Dentro do padrão de ensino das instituições do Canadá, este programa poderia ser considerado um curso semi-full time, logo, apesar da exigência de uma permissão de estudos (para aqueles que não são residentes permanentes ainda), o curso por si só não torna o aplicante elegível ao visto de estudo e trabalho que tanto veiculamos em nosso dia a dia na empresa, mas pode ser feito por alguem que já esteja no Canadá com visto de estudos para outro programa por exemplo, desde que a autorização de permanência temporária ainda esteja válida e seja suficiente para o período total do programa.

Submeti a minha aplicação à Universidade no mês de março deste ano e, apesar de aprovada e devidamente admitida, recebi um email requerendo uma cópia do meu study permit quando estava há cerca de 15 dias de iniciar as minhas aulas. A minha sorte é que eu havia feito o landing 1 semana antes de receber esse email e, para todos os efeitos, meu status de residente permanente estava validado, caso contrário eu poderia vir a enfrentar problemas ou até mesmo ser proibida de frequentar as aulas.

Experiência prévia ou formação na área

Eu já ouvi de muitas pessoas que já fizeram o curso de immigration law em colleges vocacionais ou instituições menores, que não precisaram comprovar nenhuma experiência ou formação prévia para obter a vaga. Pelo que entendi, foi mais ou menos como estamos acostumados a brincar em São Paulo com quem estuda em faculdade ruim: perdeu o RG na porta, está dentro!

Aqui também tem muito disso, tá? Existem instituições que ninguém nem sabe que existem e, óbviamente, o mercado de trabalho também não. Por isso, é muito importante escolher bem a instituição na qual você estudará no Canadá. Nessas horas, toda pesquisa ainda é pouco. É importante colher referências, entender a receptividade daquela instituição no mercado de trabalho mas, principalmente: saber que quanto mais tradicional e reconhecida for a faculdade, mais exigente ela será também. E quando falamos em “ser exigente” significa uma tonelada de textos para ler, trabalhos para fazer e horas de dedicação em cima dos livros (nada novo no front pra um advogado, certo?).

Lembrem-se: Não existe almoço grátis! Você receberá pelo que pagou e pelo quanto se dedicou.

Aqui no Canadá, a meritocracia reina lado à lado da rainha Elizabeth, portanto, get used to it, ok?

No caso da minha admissão na UBC, que é uma das instituições mais tradicionais do país, documentos como currículo, cartas de recomendação, tradução de histórico escolar e diploma, além de uma carta de intenções de 4 à 5 folhas onde eu devia explicar as razões pelas quais queria fazer o curso, foram exigidos no processo de seleção inicial.

E então vocês devem estar se perguntando: No final do dia, tudo isso faz diferença?

E eu continuo dizendo:

Sinceramente faz!

No caso do meu curso, não posso afirmar que eles fazem isso apenas pró-forma porque não analisei as turmas anteriores, mas posso assegurar que o processo seletivo é bem efetivo, haja vista que na minha sala, 99% das pessoas são da área jurídica, o que, inevitavelmente, nos possibilita a realização de um networking incrível, além de dar aquela sensação de que estamos numa aula de Direito daquelas que vemos em filme, sabe? Cheia de objeções, debates e muita emoção hehehehe.

Estou escrevendo um post sobre as minhas primeiras aulas e devo publicá-lo em breve.

Até mais!

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta